Prós e Contras das Fichas Anestésicas Digitais

Olá Pessoal,

Você já assistiu a videoaula do Curso Anestesia é o Básico que fala sobre “Ficha Anestésica“? Lá, um dos pontos abordados é sobre as vantagens e desvantagens do uso da ficha digital.

Atualmente a grande maioria dos locais, tanto médicos como veterinários, ainda utilizam a ficha com preenchimento manual. Alguns desses digitalizam a ficha ao final do processo, a fim de manter uma cópia virtual do documento. Outros, ainda poucos, já utilizam o preenchimento no próprio device, via tablet, celular ou o próprio monitor multiparamétrico. Vamos destacar aqui alguns pontos prós e contras dessas possibilidades, as quais foram abordadas nesse artigo aqui.

Fichas Anestésicas Manuais

Tradicional há mais de 120 anos, tem como vantagens: o baixo custo, uma vez que só precisamos ter um layout e imprimir cópias; a simplicidade em preencher os boxes e informações; necessita de baixo conhecimento de informática , que parece piada hoje em dia mas ainda pode ser uma barreira. Como desvantagens: Pode conter rasuras, letras ilegíveis e falta de informações; pode “se perder” na forma física; atrapalha uma análise retrospectiva. Mais desvantagens que vantagens não é? Mas o custo ainda é uma barreira grande… Quem ainda trabalha com esse sistema deve ao menos digitalizar as fichas, mantendo um arquivo virtual do banco de dados.


Fichas Anestésicas Digitais

O futuro bate à porta… Já há vários aplicativos que permitem a monitoração do paciente totalmente informatizado. Vantagens: Precisão nas informações, uma vez que o programa pode avisar quais informações ainda não foram adicionadas; eficiência, pois o anestesista não perderá tanto tempo preenchendo a ficha; qualidade dos dados, geralmente preenchidos com valores precisos e legíveis, principalmente; acessibilidade, pois outros anestesistas podem acompanhar o processo ao mesmo tempo; análise de dados, pois sendo digitais, facilitará a análise retroativa dos procedimentos. Desvantagens: O custo, uma vez que programas gratuitos podem ter qualidade duvidosa e os específicos para cada local ainda são demasiadamente caros, além da manutenção da assinatura; acurácia, a qual pode ser comprometida se o preenchimento for automatizado (monitor por exemplo); segurança dos dados, uma vez que pode ficar vulnerável à invasão digital.

Exemplo de ficha anestésica por tablet ou outros devices.

Preenchimento automático por monitores multiparamétricos

Esse tipo é talvez o mais difícil no momento, não pela qualidade, mas pela padronização. Imagine um ambiente hospitalar que frequentemente tem monitores de marcas e modelos diferentes. Isso geraria fichas anestésicas totalmente sem padrão, de difícil análise e familiaridade do corpo clínico. Ainda, todos os parâmetros deveriam ser obtidos com um único aparelho… complexo numa situação hospitalar… Situação um pouco mais viável seria para um anestesista autônomo, que poderia manter padrão dos monitores.


Quer ler o artigo na íntegra? Então acesse aqui!

Não assistiu a videoaula ainda? Então acesse aqui!

Sugestões? Considerações? Pensamentos? Comente!

Deixe uma resposta