Anestesia Epidural Caudal em Bovino

Olá tripulantes do NAVE, tudo bem? Nesse vídeo demonstramos a técnica de anestesia em bovinos. As técnicas locorregionais em ruminantes são bem comuns, principalmente devido à praticidade, qualidade e custo. A anestesia epidural é a técnica perfeita para procedimentos obstétricos, especialmente na região perineal. Diferente da técnica em pequenos animais, aqui a punção deverá ser realizada no espaço sacrococcígeo (S5 – Co1) ou intercoccígeo (Co1 – Co2), evitando bloqueio motor dos membros posteriores.

Após tricotomia e antissepsia local, introduz-se uma agulha 40 x 8, em ângulo de 60 a 80 graus ao plano da pele até a região subcutânea. Injeta-se até 1 mL de anestésico local, para minimizar a sensibilidade local e preenche-se o canhão da agulha com o fármaco a ser injetado. Avança-se a agulha até sentir uma crepitação, seguida de uma maior facilidade na introdução, o que indica que a agulha chegou ao espaço epidural. Geralmente pode-se sentir um “pop” relacionado à perfuração desse ligamento amarelo. A confirmação do posicionamento da agulha no espaço epidural pode ser feito com o teste da gota pendente e/ou pela ausência de resistência durante a injeção. Aspira-se o êmbolo, para assegurar que não haverá injeção vascular, e injeta-se o anestésico. É administrado um volume de 1 mL/100 kg de anestésico local para bovinos adultos, no máximo 7 mL (no vídeo eu ainda sugeria 10mL mas hoje faço menos…), e de 1 mL/20 kg para pequenos ruminantes e bezerros.

A técnica promove anestesia da região perineal entre 5 e 10 minutos e o tempo de ação será relacionado ao anestésico administrado (lidocaína / bupivacaína), concentração e associações (opioides, agonistas alfa2 e outros).

Área dessensibilizada com a técnica de anestesia epidural caudal.

Sugestões? Considerações? Pensamentos? Comente!


Deixe uma resposta