Gabapentina em cães e gatos: realmente funciona?

Escrito por: Bruna Sarri e Jaqueline Pizzaia

A gabapentina é um fármaco anticonvulsivante, análogo estrutural ao GABA, que vem ganhando espaço como adjuvante analgésico, principalmente no tratamento da dor crônica e neuropática em pequenos animais. Apesar de ter eficiência comprovada no controle da dor na medicina, sua utilização ainda é muito questionada na medicina veterinária. Porém, já podemos ver a recomendação da gabapentina como adjuvante analgésico em diversas fontes de consulta, como nesta aqui do International Veterinary Academy of Pain Management (IVAPM)

Quando utilizar a gabapentina?

O principal uso da gabapentina é como anticonvulsivante em casos refratários a outros medicamentos, ou ainda como adjuvante de outros anticonvulsivantes, como o fenobarbital e o brometo de potássio. Porém, a função analgésica, ou melhor adjuvante analgésica, tem ganhado cada vez mais espaço no tratamento da dor em animais. 

Como analgésico, este fármaco tem sido útil para tratar animais que sofrem de dores neuropáticas crônicas decorrente de traumas acidentais ou cirúrgicos, amputações de membros, lesões em medula espinhal, hérnias de disco intervertebral, tumores no sistema nervoso central, fraturas pélvicas, incorporações errôneas de tecido nervoso às suturas, hérnias inguinais, siringomielia dentre outros.


Um estudo verificou que a gabapentina foi eficaz na redução dos sinais da dor neuropática em cobaias, como hiperalgesia e alodinia. Em ratos, a gabapentina administrada tanto por via oral quanto subdural inibiu a transmissão da dor inflamatória e reduziu a hiperalgesia gerada por injúrias nervosas periféricas e queimaduras.

Aparentemente a gabapentina foi capaz de reduzir a necessidade de morfina na analgesia pós-operatória de cadelas que passaram por mastectomia, mas não excluiu a necessidade da utilização deste opioide. Em gatos, verificou-se que o tratamento a longo prazo com gabapentina pode ser benéfico no controle da dor derivada de trauma cranioencefálico e doenças musculoesqueléticas

Em que situações pode não funcionar?

Um estudo realizado com cães que passaram por amputação de membro anterior concluiu que a utilização da gabapentina como adjuvante analgésico, tanto no período perioperatório como pós-operatório, não promoveu benefício analgésico pós-operatório quando comparado com animais que não receberam esse adjuvante.

Outro estudo com cães submetidos à cirurgia de disco intervertebral, também não foi observada redução na dor dos cães que receberam gabapentina em relação a aqueles que receberam analgesia com opioides. Porém, foi detectada tendência de escores menores de dor no grupo que recebeu suplementação com gabapentina. Isso talvez se deva ao fato de que a dor aguda pós-operatória é considerada nociceptiva e a gabapentina possui efeito anti-hiperalgésico, mas não antinociceptivo

Há efeitos indesejáveis com a Gabapentina?

Apesar da gabapentina estar ganhando popularidade no tratamento da dor, devemos lembrar que ela pode desencadear alguns efeitos indesejáveis. Por isso, ela deve ser utilizada com cautela e sempre acompanhada por um médico veterinário.

Em humanos, testes clínicos com administração crônica de gabapentina verificaram efeitos colaterais em 25% dos pacientes, incluindo fadiga, sonolência e ganho de peso. Porém, todos os efeitos foram cessados com a interrupção do uso do medicamento. Em pequenos animais estudos apontam efeitos semelhantes, sendo a sedação o mais comum, seguido de ataxia, nistagmo, inapetência, fadiga, ganho de peso, êmese e sialorreia. Assim, é sempre importante avaliar os benefícios da utilização da gabapentina e os possíveis efeitos indesejáveis, analisando caso a caso.

Gabapentina como sedativo?


Além das discussões geradas a respeito dos efeitos deletérios de sua utilização a longo prazo, há ainda controvérsias quanto à sua utilização como sedativo para transporte de gatos, que tem se tornado igualmente popular nas clínicas veterinárias. 

Estudos apontam que a doses acima de 20 mg (entre 50 mg e 100 mg) diminui a agressividade e estresse dos gatos à manipulação, desde que administradas entre 2 a 3 horas antes disso. Entretanto, em um desses artigos verifico-se que a dose 100 mg promoveu sedação (80%), ataxia (40%), hipersalivação (6,7%) e êmese (13,3%); efeitos que podem levar o animal a inapetência por até um dia, aumentando as chances de desenvolver lipidose hepática. Talvez não seja a melhor opção para acalmar o gato em transportes…

Concluindo…

Diante dessas informações, percebemos que a gabapentina pode ser uma boa alternativa como adjuvante para tratamento de pacientes com dor neuropática ou crônica, principalmente os que não respondem bem aos analgésicos convencionais.

Entretanto, é necessário acompanhamento clínico frequente dos pacientes tratados, monitorando os efeitos indesejáveis, para que não se sobressaiam aos benéficos. Ainda, animais tratados por longos períodos devem ser submetidos à avaliação bioquímica periódica para evitar sobrecarga hepática e renal, principalmente em gatos com predisposição à desenvolvimento de doença renal crônica.


Pra ler depois:
Adrian et al. The pharmacokinetics of gabapentin in cats. J Vet Int Med, 32:1996-2002, 2018.
Aghighi et al. Assessment of the effects of adjunctive gabapentin on postoperative pain after intervertebral disc surgery in dogs. Vet Anaesth Analg, 39:636-646, 2012.
Crociolli et al. Gabapentin as an adjuvant for postoperative pain management in dogs undergoing mastectomy. J Vet Med Sci, 77:1011-1015, 2015.
Fox et al. Comparative activity of the anti-convulsants oxcarbazepine, carbamazepine, lamotrigine and gabapentin in a model of neuropathic pain in the rat and guinea-pig. Pain, 105:355-362, 2003.
Jones DL; Sorkin LS. Systemic gabapentin and S (+)-3-isobutyl-γ-aminobutyric acid block secondary hyperalgesia. Brain Res, 810:93-99, 1998.
Lorenz et al. Long-term use of gabapentin for musculoskeletal disease and trauma in three cats. J Fel Med Sur, 15:507-512, 2013.
Mao J, Chen L. Gabapentin in pain management. Anesth Analg, 91:680-687, 2000.
Pankratz et al. Use of single-dose oral gabapentin to attenuate fear responses in cage-trap confined community cats: a double-blind, placebo-controlled field trial. J Fel Med Surg, 20:535-543, 2018.
Ruel HLM; Steagall PV. Adjuvant analgesics in acute pain management. Vet Clin: Small An Pract, 49:1127-1141, 2019.
– Van Haaften et al. Effects of a single preappointment dose of gabapentin on signs of stress in cats during transportation and veterinary examination. J Am Vet Med Assoc, 251:1175-1181, 2017.
Wagner et al. Clinical evaluation of perioperative administration of gabapentin as an adjunct for postoperative analgesia in dogs undergoing amputation of a forelimb. J Am Vet Med Assoc, v. 236, n. 7, p. 751-756, 2010.

20 thoughts on “Gabapentina em cães e gatos: realmente funciona?

  • 15 de setembro de 2021 em 19:00
    Permalink

    Para 1 cão de 7 kg uso de corticoide e a gaba tem alguma contra indicação? Meu shih tem hérnia de disco e agora na cervical, com paresia , depois de passar por muitos vet e internamento um vet ministrou dexa injetável e corticoide em comp por um período e pediu para interromper a gaba. Já a Vet que faz acunputura pediu pra voltar e agora estou nesse dilema pois ele não quer colocar muita medicação visto que passou por vários anteriormente

    Resposta
    • 16 de setembro de 2021 em 08:27
      Permalink

      Olá Rafa, bom dia.
      Bom, primeiro, não vejo problemas em fazer os dois medicamentos. Tem que ficar claro que a gabapentina precisa de um tempo até começar a surtir efeito (ao redor de 15 dias). O caso não é tão simples, tampouco sou clínico ou cirurgião para saber qual a melhor conduta. Uma coisa estranha ai é “ministrou dexa injetável e corticoide em comp”. Na verdade a dexa é um corticoide. Teria lógica caso a administração injetável tenha sido para tirar o animal de uma crise de paresia, mas eu realmente não tenho condições de opinar, nesse caso do corticoide ok? Acupuntura ? Continue ; ) Abraços!

      Resposta
  • 8 de outubro de 2021 em 23:46
    Permalink

    E a gabapentina no dia de trazer para cirurgia os gatos mais ferais? Tem benefícios? Altera parâmetros na anestesia?
    Grata pelas aulas de sempre!

    Resposta
    • 11 de outubro de 2021 em 12:35
      Permalink

      Olá!
      Eu particularmente não uso. Acredito que não vai alterar os parâmetros, mas não acho que vai trazer benefícios para o paciente, se pensarmos na questão de analgesia ok? Talvez tranquilizar… segundo os estudos.. Abraços!

      Resposta
  • 27 de outubro de 2021 em 13:36
    Permalink

    A onde comprar capsulas de Gabapertina p-344 na região oeste de São Paulo,obrigado.

    Resposta
    • 27 de outubro de 2021 em 22:39
      Permalink

      Olá Paulo. Com uma receita de um veterinário você consegue nas melhores farmácias de manipulação. Já sai na dose correta para o animal.

      Resposta
  • 20 de novembro de 2021 em 08:55
    Permalink

    Bom dia, meu nome é Priscila , a veterinária ortopedista da minha cachorra indicou gabapentina 300 mg, eu li a bula e agora estou com medo de dar devido as reaçoes adversas. Sera que realmente seda o animal? ela tem displasia por isso foi indicado esse medicamento. É uma cachorra da raça Labrador.

    Resposta
    • 22 de novembro de 2021 em 07:20
      Permalink

      Olá Priscila.
      É comum as possíveis reações adversas nos deixarem preocupados. Lembro você que todos os medicamentos que existem tem reações adversas. Então, se pensarmos por esse lado, não tomamos mais nada. Se seu animal tem que tomar ou não gabapentina, isso só a veterinária pode decidir para você. Se você entendeu que seu animal está sendo bem tratado e tem tido um cuidado adequado pela veterinária, confie nela. Está na dúvida, converse com ela a respeito da sua preocupação, ok? Confiança no profissional que está cuidado do seu animal é fundamental nesse momento. Abraços!

      Resposta
  • 2 de dezembro de 2021 em 16:18
    Permalink

    meu pet um Shitizu esta com problema na coluna , levei no medico ortopedista , ele passou o Gabapentina manipulado por 90 dias , 40mg , 1ml de 12 em 12 horas , mas o Zeus ainda sente dor , estou bem preocupada , amanha vai fazer acupuntura , estou bem tensa com esta dor dele , e normal este remédio não tirar a dor ele esta tomando desde o dia 20/11/2021.

    Resposta
    • 3 de dezembro de 2021 em 08:40
      Permalink

      Olá Elaine.
      Primeira coisa é você confiar no veterinário que está atendendo seu animal. Problemas de dor desse tipo (coluna) merecem um tratamento complexo, com várias terapias e ir tentando até conseguir a melhoria do paciente. Lembro que a gabapentina não vai resolver o problema sozinha, mas é um excelente adjuvante nesses casos. Mas ela só começa a trazer benefícios após 10-15 dias… então, tenha persistência. Acupuntura tem resultados fantasticos em dor lombar. Certamente você está em boas mãos… abraços!

      Resposta
  • 30 de março de 2022 em 23:10
    Permalink

    Ola meu gato tem 12 anos esta com cancer de mama , e a veterinaria receitou gabapentina 38 mg , ja estou medicando a 5 dias e ela esta andando tipo caindo estou preocupado , e normal isso

    Resposta
    • 31 de março de 2022 em 07:35
      Permalink

      Olá Antonio,
      Pode ser sim que isso seja efeito da Gabapentina. Sugiro conversar com a veterinária pois é importante continuar o tratamento (que será para sempre), mas o ajuste adequado para cada paciente leva uns 15 dias… Novamente: não pare… entre em contato com o profissional para adequar a dose (caso seja isso ok?). Abraços!

      Resposta
  • 18 de maio de 2022 em 14:59
    Permalink

    Boa Tarde Adriano,

    Vejo que a dose de gabapentina para casos de analgesia, a indicação é de 10 a 20 mg/kg, 12 em 12 hs. No caso da minha cachorra com 16 anos, essa dose caiu para 5mg/kg. Essa diminuição da dose pode ser para minimizar os efeitos colaterais em um cão mais idoso? Existe essa variação em estudos comprovados? Gostaria de ler mais sobre as variações das doses e indicações. Sou Veterinária e estou querendo me aprofundar mais no tema para acompanhar e auxiliar nas informações fornecidas ao veterinário que está acompanhando meu caso.
    Indica algum estudo clínico específico?
    Aproveito o momento para lhe parabenizar de como lida com as inseguranças das pessoas que se pronunciam e preza o respeito aos médicos veterinários que os acompanham.

    Resposta
    • 19 de maio de 2022 em 14:23
      Permalink

      Olá Roberta, tudo bem?
      Isso é muito “particular” mesmo. Minha cadela de 16 que tem dor crônica toma gabapentina BID 5mg/kg. A diferença é que ela toma firocoxibe SID, condroitina e semanalmente recebe acupuntura. No caso dela, 5mg/kg BID tá sendo efetivo. Como vc mesma disse, cada situação deve ser adequada para cada paciente pois analgesia multimodal pode diminuir a necessidade. Algum artigo específico? Não… temos os guidelines (que você pode achar aqui no site) que indicam a gaba em alguns casos. Mas temos que tomar cuidado pois não é o santo graal… parece que agora a Gabapentina serve pra tudo… não é bem assim…
      Obrigado pelas felicitações : )
      Abraços!

      Resposta
  • 2 de junho de 2022 em 03:34
    Permalink

    Oi,meu cão está com suspeita de displasia.a minha veterinária indicou gabapentina 200 mg junto com tramadol 10 mg de 12 em 12 hrs e rimadil. Ele pesa 22 kg.vejo que dose máxima e 100 mg de gabapentina por dia. Estou com medo de dar a ele e ele passar mal.

    Resposta
    • 2 de junho de 2022 em 08:23
      Permalink

      Olá Auzy. Qual o medo? Seu cão tem um problema e você levou no vet correto? Então, acredite nele e siga as recomendações que ele te passou. Certamente ele sabe qual o melhor tratamento para o seu cão. Abraços!

      Resposta
  • 7 de agosto de 2022 em 01:21
    Permalink

    Boa noite, minha gata tem 12 anos e tem problema no pâncreas, vomita qd come e sente dor, segundo a veterinária. Ela receitou a gaba 16mg ( manipulada) de 12 em 12 horas, além de outros medicamentos para o vômitos e tal, mas percebo que minha gata fica abatida qd toma, eu poderia reduzir para 1x ao dia?
    Obrigada pela atenção
    Ni

    Resposta
    • 8 de agosto de 2022 em 09:31
      Permalink

      Olá Nirvana, tudo bem?

      Essa sua observação é importante, mas como vc mesmo disse, há outros medicamentos associados. Então, deves relatar a observação para a veterinária e ela decidirá qual medicamento poderá ser alterado ok? Não faça isso sozinho. Abraços.

      Resposta
  • 26 de agosto de 2022 em 19:19
    Permalink

    Boa noite!
    Meu cachorro foi diagnosticado com displasia.
    O veterinário passou dexaflan e condroitina manipulado.
    Será que gabapentina pode ser tomado junto ?
    Tive uOutro cahorro gde que teve problemas nas pernas traseiras e tomou , gabapentina, condroitina e uc2.
    Meu cachorro não está andado

    Resposta
    • 29 de agosto de 2022 em 10:45
      Permalink

      Olá Rejane,
      Você pode até levar essa ideia para o Vet do seu cão, mas nunca modifique ou adicione medicamentos na terapia sem falar com ele ok? Cada caso é um caso e há efeitos indesejáveis (colaterais) em qualquer medicamento. Pense nisso.
      Abraços.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Alguns números

021914
Views Hoje : 518
Views 30 dias : 22129
Views Ano : 37704
pt_BR